Empresa que será instalada em Cortês com a ajuda do Dep. Clovis Paiva, seria instalada em Ribeirão, mas a legislação do munícipio não permitia

Bastava apenas uma audiência na câmara de vereadores e seria feito a mudança da legislação da cidade de Ribeirão, e sendo assim ficaria apta a receber a empresa na cidade.

Empresa que será instalada em Cortês com a ajuda do Dep. Clovis Paiva, seria instalada em Ribeirão, mas a legislação do munícipio não permitia

A empresa montadora de automóveis (buggy BRM, a Montauto – Montadora Nacional de Automóveis Ltda), que é detentora da marca BRM é uma empresa que já existe a 50 anos e que poderia ser instalada em Ribeirão, mas por falta de articulação do Prefeito Marcelo Maranhão e seus vereadores, a empresa optou por investir mais de 35 milhões em cortês e mais de 100 milhões em araripina.

O deputado Clovis Paiva, foi o articulador e responsável pela vinda da empresa para a região da Mata Sul, o parlamentar tentou trazer a empresa para a cidade natal Ribeirão, entretanto, por falta de atitude de vereadores e prefeito, a empresa se instalou em cortês.

Em cortês, a cidade quando teve a oportunidade de ter em sua cidade mais uma nova empresa, articulou de imediato uma votação na câmara de vereadores, e mudou a legislação de doação de terrenos para empresa de 50% para 100%, fazendo com o que a empresa MONTAUTO fosse instalada no município. Os vereadores que participaram das votações em Cortês pela chegada da montadora: Edmilson Rodrigues, Nidinho da Saúde, Ademir do Bento, Genário Xavier, José Antônio e Ivo Severino. Votaram contra, Salatiel Oliveira e Celson Cleiton, a vereadora Fátima Borba se absteve da votação.

Em entrevista a rádio santana fm. (08), quando perguntado porquê a empresa não foi instalada em Ribeirão, o empresário Evandro Lira, respondeu:

"O motivo é que a legislação de Ribeirão não contém a contemplação total da área que seria doada, a legislação de Ribeirão só pode doar 50% da área para a implantação e em cortês a doação é 100% e por isso propos a se instalar dentro de cortês, todo o tramite de Ribeirão foi do nosso Deputado Estadual Clovis Paiva."

Na entrevista, também foi perguntado quando os trabalhos irão começar, o empresário respondeu que "após 06 meses, os trabalhos irão começar, com cursos e a contratação de pessoas para o empreendimento".

O investimento da empresa em cortês será de mais de 35 milhões de reais, e em araripina, mais de 100 milhões de reais, podendo gerar mais de 200 empregos diretos e chegando a mil empregos indiretos. Com a vinda da empresa, o comercio da cidade era aquecer, tanto lojas como a área de pousadas.

SAIBA SOBRE A EMPRESA:

Criadora do buggy BRM, a Montauto – Montadora Nacional de Automóveis Ltda. é a maior e uma das mais antigas fábricas de buggies do Brasil e a única a produzir em série seus veículos. Fundada em 1969, em São Paulo (SP), com a razão social BRM – Buggy Rodas e Motores Ltda., transferiu-se em 1981 para suas instalações atuais em São Bernardo do Campo (SP). No início a empresa encarregou-se apenas da montagem de buggies de outros fabricantes (Bugre e Glaspac foram duas das suas fornecedoras).

No final de 1973, após ter vendido cerca de 1.500 carros, decidiu produzir seus próprios modelos, lançando o primeiro carro com a sua marca – o modelo M-3.  Os carros tinham desenho bastante próximo dos precursores norte-americanos Meyers Manx, porém diferiam no santantônio duplo e nos para-choques maiores. Podiam ser fornecidos sob a forma de kits (sempre montados pela própria BRM sobre plataforma fornecida pelo cliente) ou completos, com mecânica Volkswagen 1300, 1500 ou 1600. Em 1976 (ano em que ocorreu a primeira exportação – para os Emirados Árabes) havia quatro opções de acabamento: básica, standard, completa e luxo, as últimas incluindo bagageiro tubular na traseira, estepe sob o capô, santantônio no estilo targa e quadro do pára-brisa revestido de fibra de vidro. Naquele mesmo ano a empresa apresentou uma picape construída em plástico reforçado com fibra de vidro sobre a plataforma da Kombi 1500, reforçada com duas longarinas adicionais de modo a aumentar em 300 kg a capacidade de carga. Com um estilo decididamente elementar, o carro (batizado BR 101) tinha para-brisa plano de peça única e estepe montado externamente na dianteira. Eram várias as opções de carroceria: aberta, furgão, frigorífico e até motor-home.

Para saber mais, acesse → http://www.lexicarbrasil.com.br/brm/